Ressurreição: Prova formidável da existência do Deus de Israel.

"Morte e Vida". Crédito imagem: biswarupsarkar72


O PODER DA RESSURREIÇÃO.


Qual a ligação entre o Criador e a Ressurreição?


Resposta: 


Ressurreição  é a criação de vida a partir de matéria inanimada. Para que esse evento ocorra é necessário que haja um Criador, que é alguém que tem o domínio sobre os elementos da vida.



Apóstolo Pedro corroborando:


Deus ressuscitou a este Jesus, do que todos nós somos testemunhas.” Atos 3.15


Por que a Ressurreição prova o Criador do Universo e não só da vida?

Porque somos feitos praticamente da mesma substância que é formada qualquer partícula do Universo e somos o arranjo mais complexo e ordenado de matéria que há nele, se tem alguém que tem domínio sobre a vida, isso se estende ao Universo.


A Ressurreição e as religiões:


O Deus judaico-cristão, que reivindica a autoria da criação, tem a reconfirmação dessa autoria pela Ressurreição.

A Ressurreição confirma a veracidade e a superioridade da mensagem dos profetas e apóstolos. 



A Ressurreição ocorreu?
Veja aqui uma famosa tentativa de refutação de um advogado cético sobre a Ressurreição de Cristo, que acabou tendo o efeito contrário do objetivo inicial.


Como se livrar do vício? Sexo, masturbação, pornografia, drogas, comidas, comportamentos etc.

Crédito imagem: e Peters


Sexo, pornografia, masturbação, drogas lícitas ou ilícitas, comidas, jogos, maledicências, materialismo, a lista de vícios é grande...Mas o que é necessário para alguém, no âmbito da fé, largar um vício?

Falta justamente uma fé madura, convicção no Criador! Sem convicção não temos o maior dos incentivos para deixar um vício.


“Porque os que são segundo a carne inclinam-se para as coisas da carne; mas os que são segundo o Espírito para as coisas do Espírito. Porque a inclinação da carne é morte; mas a inclinação do Espírito é vida e paz. (Romanos 8,5-6)”

Deus oferece ao homem muito mais que um prazer momentâneo. Além de uma vida em gozo e paz na eternidade, Ele oferece uma vida também de paz, já nessa Terra! 

Uma paz que é alheia ao materialismo ou hedonismo, é vinculada às promessas do nosso Criador, essa paz vem de dentro, do espírito, é uma arma eficaz contra as aflições e desesperança nesse mundo, até que venha o cumprimento de suas promessas.

A pessoa que experimenta essa paz pela primeira vez, sabe como é boa essa sensação de entender que podemos descansar em Cristo, e como os problemas nessa vida se tornam pequenos diante da eternidade prometida por quem venceu a morte.

De forma oposta, quem peca e tem consciência disso, sabe o quão terrível é perder essa paz, colocar a cabeça no travesseiro e ficar atormentado pelo erro. 

É loucura trocar os ensinamentos da Revelação de Deus, que nos criou e nos conhece como ninguém, por alguns minutos ou horas de prazer errado, prazer este que só traz consequências comprovadamente ruins.


"E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará." João 8:32


A Revelação de Deus não nos foi dada de enfeite, e sim para que meditássemos nela, e para que fosse o nosso guia nessa vida.

Da mesma forma que os apóstolos perderam o medo da morte pela convicção em Cristo após a Ressurreição, o pretenso cristão precisa de uma vez por todas ter convicção em Jesus, entendendo que a sua crença é racional, só assim deixará a fé da "boca pra fora" e as antigas praticas. 

Essa determinação para escravizar o corpo não é dada como uma espécie de mágica para os escolhidos, como diz a filosofia calvinista, mas sim um processo de construção racional através da Palavra de Deus revelada.

A fé e a comunhão com Deus vem pelo contato contínuo com as Escrituras, na sede pela sabedoria deixada por Deus, a convicção precisa ser alimentada, enquanto a aparência do mal deve ser afastada, vence é claro quem for melhor alimentado, o espírito ou a carne, alguém que não faz da leitura da bíblia um hábito cotidiano vai certamente ignorar os alertas deixados por Deus, sejam os exemplos históricos de situações vividas pelos homens retratados na bíblia ou por ensinamentos diretos, como o alerta para fugir da aparência do mal (gatilhos para concupiscências).


Conclusão: 


"A lampada do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz; Se, porém, os teus olhos forem maus, o teu corpo será tenebroso. Se, portanto, a luz que em ti há são trevas, quão grandes serão tais trevas!" Mateus 6:22,23

Deus nos deu capacidade racional para comandar nossos instintos, através de um órgão espetacular que é o cérebro humano, não somos animais irracionais para sermos reféns dos instintos, reconhecemos nossas fraquezas e sabemos que ambiente frequentar ou a que conteúdo podemos ter contato para que não venhamos a cair em transgressão, a mensagem deixada por Deus traz muitos alertas nesse sentido.

Com a convicção em Deus, o resto se torna mais fácil, pois a partir da convicção de que há um Deus e tudo que isso engloba, teremos forças para buscar o arrependimento, conhecer e seguir seus ensinamentos.  

Muitos acham que já conhecem toda a mensagem de Deus por causa do básico, ou seja, por ter lido ou ouvido as partes ditas principais dos manuscritos,porém há muito mais a descobrir, alguém que já leu a Bíblia mais de uma vez compreenderá: É leitura para toda a vida!


"Vigiai, estai firmes na fé; portai-vos varonilmente, e fortalecei-vos."
1 Coríntios 16:13


"Ora, amados, pois que temos tais promessas, purifiquemo-nos de toda a imundícia da carne e do espírito, aperfeiçoando a santificação no temor de Deus." 2 Coríntios 7:1


Lembre-se, morrer em pecado é pior que qualquer doença, ninguém sabe o dia que vai morrer... Use a capacidade racional que o próprio Deus lhe deu para rejeitar a transgressão e não virar escravo do pecado. 

Analise suas transgressões e siga as recomendações passadas por Deus através dos apóstolos e profetas.

Mergulhe na sabedoria que nos foi deixada.




Resiliência cristã

Crédito imagem: Roam

resiliência é a capacidade de o indivíduo lidar com problemas, adaptar-se a mudanças, superar obstáculos ou resistir à pressão de situações adversas - choque, estresse, algum tipo de evento traumático, etc. - sem entrar em surto psicológico, emocional ou físico.



Jesus : Ressurreição Inquestionável.


Crédito imagem: turnbacktogod .com


Por Paul Litle,


A suprema prova de Jesus para autenticar a proclamação de sua divindade foi sua ressurreição dentre os mortos. Por cinco vezes no curso de sua vida. Ele predisse como morreria e que três dias depois ressuscitaria dos mortos e apareceria aos seus discípulos.

Certamente, esse foi o grande teste. Era uma declaração que seria fácil de verificar. Aconteceria ou não.


Amigos e inimigos do cristianismo reconheceram a ressurreição de Cristo como sendo a pedra de fundação da fé cristã. Paulo, o grande apóstolo, escreveu: " Se Cristo não ressuscitou, é vazia a fé que você tem", 1Co 15.14. Paulo colocou toda a sua fé na ressurreição do corpo de Cristo. Sua ressurreição foi o evento mais sensacional de toda a História.


Observe as deduções: se Cristo ressucitou, sabemos com certeza que Deus existe,como Ele é e como podemos conhecê-Lo através de uma experiência pessoal. Assim, o universo adquire significado e propósito, e é possível experimentar um Deus vivo no mundo de hoje.


Por outro lado, se Cristo não ressuscitou dos mortos, o cristianismo é uma interessante peça de museu e nada mais. Ele não tem validade ou realidade objetiva. Embora seja até uma ideia agradável, certamente não vale a pena ficar muito empolgado com isso. O mártires que foram lançados aos leões cantando e os missionários contemporâneos que perderam suas vidas no Equador e Congo levando a mensagem a outros foram pobres tolos iludidos.


O ataque  ao cristianismo por seus inimigos tem sido frequentemente concentrado na ressurreição, porque está claro que esse evento é o "x" da questão. Um ataque  notável aconteceu no início dos anos 30 por um jovem advogado chamado Frank Morrison. Ele estava convencido de que a ressurreição era mera fábula e fantasia. Percebendo que era a pedra de fundação da fé cristã, ele decidiu "fazer um favor ao mundo" e "de uma vez por todas expor essa fraude e superstição".


Como advogado, ele sentia que tinha as qualidades criticas para testar rigidamente cada evidência e para não admitir como evidência tudo que não adequasse ao rígido critério de admissão de um tribunal hoje.


Porém enquanto Morrison estava fazendo sua pesquisa algo extraordinário aconteceu. O caso não era tão fácil quanto ele pensava. Como resultado desse acontecimento, no primeiro capítulo de seu livro Who Moved the Stone? (Quem moveu a Pedra), intitulado The Book That Refused to Be Written( O livro que recusou ser escrito), ele descreveu como, enquanto examinava as evidências, foi persuadido contra o que ele mesmo acreditava: o fato da ressurreição física de Cristo.


A morte de Jesus foi por uma execução pública na cruz. O governo disse que a condenação era por blasfêmia. Jesus disse que foi para pagar os nossos pecados. Depois de ser severamente torturado, os pés e os punhos de Jesus foram pregados na cruz onde Ele foi suspenso, e mais tarde morreu lentamente sufocado. Seu corpo foi transpassado por uma lança para confirmar a sua morte.


O corpo de Cristo foi envolvido em linho coberto com aproxidamente 38 quilos de ervas molhadas e pegajosas. Seu corpo foi colocado dentro de um tumulo numa rocha. Uma pedra de quase duas toneladas foi rolada por alavancas para guardar a entrada. Porque Jesus tinha publicamente dito que ressuscitaria dos mortos em três dias, uma guarda de treinamentos dos soldados romanos foi posicionada no túmulo e um selo oficial romano foi fixado na entrada dele, declarando que era propriedade do governo. Apesar de tudo isso, ao terceiro dia o corpo tinha sumido. Somente os panos de linho permaneceriam na tumba, mas vazios. A rocha que formalmente selava o túmulo foi encontrada fora do lugar, a uma longa distância longe do túmulo.


A explicação que logo começou a circular era a de que os discípulos roubaram o corpo. Em Mateus 28:11 -15, temos o registro da reação dos sacerdotes e dos líderes religiosos quando os guardas deram a desagradável e misteriosa notícia de que o corpo tinha sumido. Eles deram dinheiro aos soldados e mandaram dizer que os discípulos tinham ido durante a noite e roubado o corpo enquanto estavam adormecidos. Aquela história era tão falsa que Mateus nem se preocupou em refutá-la. Que juiz iria ouvir você se dissesse que, enquanto você estava dormindo, o seu vizinho entrou na sua casa e roubou seu aparelho de TV? Se você estava dormindo, como sabia que foi seu vizinho? Quem sabe o que está acontecendo enquanto se dorme? Um testemunho como esse seria ridicularizado em um tribunal.


Além do mais, estamos lidando com uma impossibilidade psicológica e ética. Roubar o corpo de Cristo seria algo totalmente contrário ao caráter dos discípulos e a tudo o que sabemos sobre eles. Significaria que eles foram culpados de uma deliberada mentira que foi responsável pelo enganos e morte de milhares de pessoas. É inconcebível que, mesmo que alguns discípulos tivessem conspirado e conseguido fazer esse roubo, eles nunca teriam contado aos outros.


Cada um dos discípulos enfrentou o teste da tortura e do martírio por suas afirmações e crenças. Homens e mulheres morreram pelo que acreditaram ser verdade. Se em algum momento o homem fala a verdade é no seu leito de morte. Eles morreriam por uma mentira? Morreriam por Cristo sabendo que Ele não havia ressuscitado já que eles mesmos roubaram seu corpo? E se os discípulos tivessem roubado o corpo, e Cristo ainda tivesse morto, ainda teríamos o problema de explicar todas as suas declarações e aparições.


Uma segunda hipótese é a de que as autoridades judia e romana removeram o corpo. Mas por quê? Eles colocaram guardas no túmulo. Logo qual seria a razão de remover o corpo? E quanto ao silêncio das autoridades diante da ousada pregação dos apóstolos sobre a ressurreição em Jerusalém? Os líderes eclesiásticos estavam fervilhando de raiva, e fizeram todo o possível para prevenir que a mensagem da ressurreição de Jesus dentre os mortos se espalhasse. Prenderam Pedro e João, bateram e ameaçaram a eles numa tentativa de calar suas bocas. Mas havia uma solução muito simples para o problema deles. Se eles tivessem o corpo de Cristo, poderiam desfilar com ele pelas ruas de Jerusalém. Mas não o tinham.


De uma só vez eles teriam abafado com sucesso o Cristianismo ainda no seu berço.O fato de que eles não fizeram isso sustenta o testemunho eloquente de que eles não tinham o corpo.


Outra teoria popular foi que as mulheres, perturbadas por um tristeza devastadora, erraram o caminho na pouca luz da manhã e foram para o túmulo errado. Na sua distração, elas imaginaram que Cristo tinha ressuscitado porque encontraram o túmulo vazio. Essa teoria, entretanto, foi derrubada pelo mesmo fato que destruiu a teoria anterior.


Se as mulheres foram ao túmulo errado, por que os sumos sacerdotes e outros inimigos da fé não foram até o  túmulo correto e revelaram o corpo? Além disso, é inconcebível que Pedro e João se sujeitariam ao mesmo erro, e certamente José de Arimatéia, dono do túmulo, teria resolvido o problema. E mais: é preciso relembrar que este era um lugar privado para sepulcros, não era um cemitério público. Não havia outro túmulo nas proximidades que permitisse tal erro.


A única opção que adequadamente explica o túmulo vazio é a ressurreição de Jesus dentre os mortos.


Se Jesus Cristo ressuscitou dos mortos, e Ele ressuscitou verdadeiramente, provando ser Deus, então Ele está vivo hoje. Sua vontade é mais que ser adorado. Sua vontade é ser conhecido e fazer parte de sua vida. Jesus disse: " Eis que estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei e cearei com ele, e ele comigo". Ap 3.20.



Carl Gustav Jung disse: " A neurose principal de nosso tempo é o vazio". Todos temos um profundo anseio para que nossas vidas tenham sentido. Jesus nos oferece uma vida mais significativa, abundante, que  resulta de um relacionamento com Ele, Jesus disse: Eu vim para que tenham vida, e a tenham em abundancia". João 10.10.


Porque Jesus morreu na cruz, levando com Ele todos os pecados da humanidade. Ele agora nos oferece perdão, aceitação e um genuíno relacionamento com Ele.

Onde e para quem Jesus apareceu após a ressurreição? Há contradições?

Tropas britânicas em Jerusalém - 1918  
Crédito imagem: Ziet O Zaa3taar

Primeiras aparições de Jesus:

1-)Aparece para Maria Madalena; Maria, mãe de Tiago e Joana. 

2-) Cleopas e seu companheiro. (Lucas detalha informação, também dada nos outros documentos) 

3-)Para Pedro (Lucas detalha informação já dada em outros documentos) e depois duas vezes aos apóstolos, na segunda incluindo Tomé (João detalha esse episódio de Tomé) 

Basta você mesmo tirar a prova, pegando uma bíblia impressa (com referencias), e ler cada uma das passagens correspondentes à Ressurreição, nos evangelhos sinópticos e de João, depois volte e leia esse texto.


Os textos se complementam, a contradição, por exemplo,seria se um texto tivesse falado que Maria viu, e o outro, que não viu.

Mateus dá enfase a ida das duas Marias.
Lucas fala nas mulheres, dando enfase para três delas.
Marcos no cap. 16:01, também detalha as três mencionadas em Lucas.
João dá enfase a ida de Maria Madalena no cap. 20:1

Quem eram as mulheres de Lucas 23:55?

É o grupo de mulheres que fazem parte Maria Madalena; Maria, mãe de Tiago,Joana e outras não mencionadas. 

Lucas 24:10 confirma que ainda havia mais mulheres no grupo, ou seja, dentro do grupo, cada autor conta o mesmo evento, mas com destaques diferentes.


Não foi necessário citar todas que faziam parte do grupo de mulheres.


Conclusão: 


No grupo de mulheres, fazia parte Maria Madalena, Maria mãe de Tiago, Joana, entre outras.

Como o cético isolam os documentos, eles pressupõem erroneamente uma contradição, que só existiria se o texto tivesse falado que Maria viu Jesus ressurrecto, e o outro texto dizendo que Maria não viu Jesus ressurrecto.




O conhecimento humano

Escultura: Jaume Plensa. Imagem crédito: Fotografik33


Nosso conhecimento cientifico de cada dia...

No conhecimento cientifico, dependemos da observação de outras pessoas, ou seja, confiamos no que outras pessoas dizem, através de divulgações em publicações cientificas, pois não estávamos lá na hora do experimento e nem temos condições de reproduzir a maioria deles. 

Acreditamos nos relatos mesmo sem vê-los, tendo como suporte um grupo de observações alheias corroborando com a existência do fato testemunhado. A pseudociência pode ser identificável pela falta desses testemunhos.


Especulação não é conhecimento cientifico.

O conhecimento cientifico gera frutos para a sociedade, ele nos  ajuda no desenvolvimento de tecnologias e novos mendicamentos. Em oposição a isso, temos o estudo da Teoria da Evolução das Espécies, suposto conhecimento científico que nunca gerou nenhum fruto bom para a sociedade. 

O estudo da genética, química etc. funcionam independente de teorias que tentam adivinhar o passado:

“De fato, durante os últimos 100 anos, praticamente toda a biologia progrediu independente da teoria da evolução, exceto a própria biologia evolucionária. A Biologia Molecular, Bioquímica. Fisiologia não tiveram em conta a teoria da evolução.” (citado no “Boston Globe” 23 de Outubro 2005)”

As especulações puras de nada servem, um dos campos mais férteis para isso é quando se tenta criar um passado não observado dentro de especulações de milhões ou bilhões de anos:trabalhos envolvendo o surgimento (não confundir com o funcionamento) do Universo, da vida, ou das espécies.

O tempo do registro histórico humano, isto é, o que foi observado por homens do passado, fica na casa dos milhares de anos, o que se tenta concluir além disso, com alegações supostamente cientificas, na verdade, é pura especulação!

A ciência moderna não tem como dizer o que ocorreu no passado especulado, a não ser que tenha sido observado por pessoas, o que sabemos não ser o caso.

Bíblia?

Vimos acima que o conhecimento é relacionado com a troca que temos com outras pessoas, dependemos do que foi observado por outras pessoas para adquirir conhecimento..E o que a crença em Deus tem a ver com isso? Bom, usando absolutamente a mesma lógica do conhecimento, a Bíblia reúne uma série de documentos de relatos de pessoas, que é a forma mais coerente e lógica de formação do conhecimento.

E o que garante que foram observados? 

Justamente os testemunhos múltiplos, pois é  assim que ocorre na própria ciência, na bíblia temos testemunhos suportando o conhecimento sobre as manifestações de Deus, essas observações seriam o equivalente às observações de campo. Analise bem, o passado embora não seja reproduzível em laboratório, a sua construção faz parte do mesmo mecanismo dos testemunhos, onde eventos são observados, documentados e transmitidos.

Veja um link abaixo com outro texto para auxilia-lo nessa compreensão:



CONCLUSÃO:


Na interação humana há regras intrínsecas à racionalidade que possibilitam a construção do passado, o estabelecimento de uma verdade e o desenvolvimento humano. Se não fosse assim, o desenvolvimento humano não ocorreria. 

O homem não é onipresente nem onisciente, destarte, ele depende de outras pessoas! 

São infundados os ataques  à credibilidade do conteúdo bíblico, utilizando-se como argumento que a observação foi feita por outras pessoase não por nós mesmos.  Isso acaba entrando em contradição com a própria transmissão do conhecimento cientifico, que é resultado da soma de observações alheias.

Quando a ciência é utilizada sem testemunhos e sem observações, ignorando itens essenciais do próprio método cientifico, o resultado é apenas especulação, e não verdade absoluta.

Só podemos saber do passado por registros históricos, isto é, observações + relatos. E os documentos que compõem a Bíblia são também produtos desses mecanismos de construção do passado, utilizados não só na História, como no conhecimento cientifico (verdadeiro) e nos sistemas jurídicos de todo o Mundo.

Veja mais sobre a Bíblia e o registro histórico, aqui.


25 Profecias Cumpridas num Dia!!


Deserto da Judéia. Imagem crédito: Gabriella Hal

"Tudo isto, porém, aconteceu para que se cumprissem as Escrituras dos profetas...”Mateus 26.56

As seguintes profecias do Antigo Testamento (Bíblia Sagrada), sobre a traição, o julgamento, a morte e o sepultamento de nosso Senhor Jesus Cristo, foram feitas por diferentes pessoas, em épocas distintas, em um espaço de cinco séculos, de 1000 a 500 a.C, conforme datação dos manuscritos bíblicos. Todas se cumpriram, literalmente.




1. Vendido por trinta moedas de prata

Profecia: “Eu lhes disse: se vos parece bem, dai-me o meu salário; e, se não, deixai-o. Pesaram, pois, por meu salário trinta moedas de prata”. Zacarias 11.12

Cumprimento: “Então, um dos doze, chamado Judas Iscariotes, indo ter com os principais sacerdotes, propôs: Que me quereis dar, e eu vo-lo entregarei? E pagaram-lhe trinta moedas de prata”. Mateus 26.14-15


2. Traído por um amigo

Profecia: “...mas és tu, homem meu igual, meu companheiro e meu íntimo amigo. Juntos andávamos, juntos nos entretínhamos e íamos com a multidão à Casa de Deus. A morte os assalte, e vivos desçam à cova! Porque há maldade nas suas moradas e no seu íntimo”. Salmos 55.13-15

Cumprimento: “E logo, aproximando-se de Jesus, lhe disse: Salve, Mestre! E o beijou.  Jesus, porém, lhe disse: Amigo, para que vieste? Nisto, aproximando-se eles, deitaram as mãos em Jesus e o prenderam”. Mateus 26.49-50


3. O Dinheiro foi atirado para o oleiro

Profecia: “Então, o SENHOR me disse: Arroja isso ao oleiro, esse magnífico preço em que fui avaliado por eles. Tomei as trinta moedas de prata e as arrojei ao oleiro, na Casa do SENHOR”. Zacarias 11.13

Cumprimento: “Então, Judas, o que o traiu, vendo que Jesus fora condenado, tocado de remorso, devolveu as trinta moedas de prata aos principais sacerdotes e aos anciãos, dizendo: Pequei, traindo sangue inocente. Eles, porém, responderam: Que nos importa? Isso é contigo. Então, Judas, atirando para o santuário as moedas de prata, retirou-se e foi enforcar-se. (...) E, tendo deliberado, compraram com elas o campo do oleiro, para cemitério de forasteiros”. Mateus 27.3-5,7


4. Os discípulos O abandonaram

Profecia: “Desperta, ó espada, contra o meu pastor e contra o homem que é o meu companheiro, diz o SENHOR dos Exércitos; fere o pastor, e as ovelhas ficarão dispersas; mas volverei a mão para os pequeninos”. Zacarias 13.7

Cumprimento: “Então, os discípulos todos, deixando-o, fugiram”. Mateus 26.56

“Então, lhes disse Jesus: Todos vós vos escandalizareis, porque está escrito: Ferirei o pastor, e as ovelhas ficarão dispersas”. Marcos 14.27



5. Acusado por falsas testemunhas

Profecia: “Levantam-se iníquas testemunhas e me argúem de coisas que eu não sei”. Salmo 35.11

Cumprimento: “Ora, os principais sacerdotes e todo o Sinédrio procuravam algum testemunho falso contra Jesus, a fim de o condenarem à morte. E não acharam, apesar de se terem apresentado muitas testemunhas falsas. Mas, afinal, compareceram duas, afirmando: Este disse: Posso destruir o santuário de Deus e reedificá-lo em três dias”. Mateus 26.59-61



6. Bateu-se e cuspiu-se nEle

Profecia: “Ofereci as costas aos que me feriam e as faces, aos que me arrancavam os cabelos; não escondi o rosto aos que me afrontavam e me cuspiam”. Isaías 50.6

Cumprimento: “Então, uns cuspiram-lhe no rosto e lhe davam murros, e outros o esbofeteavam, dizendo: Profetiza-nos, ó Cristo, quem é que te bateu!” Mateus 26.67,68



Observem-se os detalhes na concordância da profecia e do cumprimento:

Bater-se-á nEle

No rosto e em outras partes do corpo

Cuspir-se-á nEle

Cuspir-se-á no Seu rosto



7. Mudo diante dos Seus acusadores

Profecia: “Ele foi oprimido e humilhado, mas não abriu a boca; como cordeiro foi levado ao matadouro; e, como ovelha muda perante os seus tosquiadores, ele não abriu a boca”. Isaías 53.7

Cumprimento: “E, sendo acusado pelos principais sacerdotes e pelos anciãos, nada respondeu. Então, lhe perguntou Pilatos: Não ouves quantas acusações te fazem? Jesus não respondeu nem uma palavra, vindo com isto a admirar-se grandemente o governador”. Mateus 27.12-14



8. Ferido e pisado

Profecia: “Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados”. Isaías 53.5

Cumprimento: “Então, Pilatos lhes soltou Barrabás; e, após haver açoitado a Jesus, entregou-o para ser crucificado. Logo a seguir, os soldados do governador, levando Jesus para o pretório, reuniram em torno dele toda a coorte. Despojando-o das vestes, cobriram-no com um manto escarlate; tecendo uma coroa de espinhos, puseram-lha na cabeça e, na mão direita, um caniço; e, ajoelhando-se diante dele, o escarneciam, dizendo: Salve, rei dos judeus!” Mateus 27.26-29



9. Ele sucumbiu sob o peso da cruz

Profecia: “De tanto jejuar, os joelhos me vacilam, e de magreza vai mirrando a minha carne”. Salmo 109.24

Cumprimento: “Tomaram eles, pois, a Jesus; e ele próprio, carregando a sua cruz, saiu para o lugar chamado Calvário, Gólgota em hebraico”. João 19.17

“E, como o conduzissem, constrangendo um cireneu, chamado Simão, que vinha do campo, puseram-lhe a cruz sobre os ombros, para que a levasse após Jesus”. Lucas 23.26



O Senhor Jesus Cristo, após ter sofrido muito com os açoites, ficou fraco, Seus joelhos se dobraram sob a pesada cruz. Por isso, foi necessário entregá-la a outro para ser carregada.



10. Mãos e pés transpassados

Profecia: “Cães me cercam; uma súcia de malfeitores me rodeia; traspassaram-me as mãos e os pés”. Salmo 22.16

Cumprimento: “Quando chegaram ao lugar chamado Calvário, ali o crucificaram, bem como aos malfeitores, um à direita, outro à esquerda”. Lucas 23.33



Jesus Cristo, foi crucificado segundo o costume dos romanos: as mãos e os pés eram perfurados por longos cravos, para pregar o corpo na cruz (compare João 20.25-27)



“Disseram-lhe, então, os outros discípulos: Vimos o Senhor. Mas ele respondeu: Se eu não vir nas suas mãos o sinal dos cravos, e ali não puser o dedo, e não puser a mão no seu lado, de modo algum acreditarei. Passados oito dias, estavam outra vez ali reunidos os seus discípulos, e Tomé, com eles. Estando as portas trancadas, veio Jesus, pôs-se no meio e disse-lhes: Paz seja convosco! E logo disse a Tomé: Põe aqui o dedo e vê as minhas mãos; chega também a mão e põe-na no meu lado; não sejas incrédulo, mas crente”. João 20.25-27



11. Crucificado junto com malfeitores

Profecia: “Por isso, eu lhe darei muitos como a sua parte, e com os poderosos repartirá ele o despojo, porquanto derramou a sua alma na morte; foi contado com os transgressores; contudo, levou sobre si o pecado de muitos e pelos transgressores intercedeu”. Isaías 53.12

Cumprimento: “Com ele crucificaram dois ladrões, um à sua direita, e outro à sua esquerda. E cumpriu-se a Escritura que diz: Com malfeitores foi contado”. Marcos 15.27-28



12. Ele orou pelos Seus inimigos

Profecia: “Por isso, eu lhe darei muitos como a sua parte, e com os poderosos repartirá ele o despojo, porquanto derramou a sua alma na morte; foi contado com os transgressores; contudo, levou sobre si o pecado de muitos e pelos transgressores intercedeu”. Isaías 53.12

Cumprimento: “Contudo, Jesus dizia: Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. Então, repartindo as vestes dele, lançaram sortes”. Lucas 23.34



13. Eles menearam a cabeça

Profecia: “Tornei-me para eles objeto de opróbrio; quando me vêem, meneiam a cabeça”. Salmo 109.25

Cumprimento: “Os que iam passando blasfemavam dele, meneando a cabeça e dizendo: Ó tu que destróis o santuário e em três dias o reedificas! Salva-te a ti mesmo, se és Filho de Deus, e desce da cruz!” Mateus 27.39,40



14. As pessoas zombaram de Jesus

Profecia: “Todos os que me vêem zombam de mim; afrouxam os lábios e meneiam a cabeça: Confiou no SENHOR! Livre-o ele; salve-o, pois nele tem prazer”. Salmo 22.7,8

Cumprimento: “De igual modo, os principais sacerdotes, com os escribas e anciãos, escarnecendo, diziam: Salvou os outros, a si mesmo não pode salvar-se. É rei de Israel! Desça da cruz, e creremos nele. Confiou em Deus; pois venha livrá-lo agora, se, de fato, lhe quer bem; porque disse: Sou Filho de Deus”. Mateus 27.41-43



15. Eles O olhavam

Profecia: “Posso contar todos os meus ossos; eles me estão olhando e encarando em mim”. Salmo 22.17

Cumprimento: “O povo estava ali e a tudo observava. Também as autoridades zombavam e diziam: Salvou os outros; a si mesmo se salve, se é, de fato, o Cristo de Deus, o escolhido”. Lucas 23.35



16. Suas vestes foram repartidas e sorteadas

Profecia: “Repartem entre si as minhas vestes e sobre a minha túnica deitam sortes”. Salmo 22.18

Cumprimento: “Os soldados, pois, quando crucificaram Jesus, tomaram-lhe as vestes e fizeram quatro partes, para cada soldado uma parte; e pegaram também a túnica. A túnica, porém, era sem costura, toda tecida de alto a baixo. Disseram, pois, uns aos outros: Não a rasguemos, mas lancemos sortes sobre ela para ver a quem caberá—para se cumprir a Escritura: Repartiram entre si as minhas vestes e sobre a minha túnica lançaram sortes. Assim, pois, o fizeram os soldados”. João 19.23,24



17. Foi abandonado

Profecia: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? Por que se acham longe de minha salvação as palavras de meu bramido?” Salmo 22.1

Cumprimento: “Por volta da hora nona, clamou Jesus em alta voz, dizendo: Eli, Eli, lamá sabactâni? O que quer dizer: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” Mateus 27.46



18. Foram-lhe dados vinagre e fel

Profecia: “Por alimento me deram fel e na minha sede me deram a beber vinagre”. Salmo 69.21

Cumprimento: “Depois, vendo Jesus que tudo já estava consumado, para se cumprir a Escritura, disse: Tenho sede! Estava ali um vaso cheio de vinagre. Embeberam de vinagre uma esponja e, fixando-a num caniço de hissopo, lha chegaram à boca”. João 19.28,29

“Deram-lhe a beber vinho com fel; mas ele, provando-o, não o quis beber”. Mateus 27.34



19. Ele entregou Seu espírito a Deus

Profecia: “Nas tuas mãos, entrego o meu espírito; tu me remiste, SENHOR, Deus da verdade”. Salmo 31.5

Cumprimento: “Então, Jesus clamou em alta voz: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito! E, dito isto, expirou”. Lucas 23.46



20.Seus amigos ficaram de longe

Profecia: “Os meus amigos e companheiros afastam-se da minha praga, e os meus parentes ficam de longe”. Salmo 38.11

Cumprimento: “Entretanto, todos os conhecidos de Jesus e as mulheres que o tinham seguido desde a Galiléia permaneceram a contemplar de longe estas coisas”. Lucas 23.49



21. Seus ossos não foram quebrados

Profecia: “Preserva-lhe todos os ossos, nem um deles sequer será quebrado”. Salmo 34.20

Cumprimento: “Chegando-se, porém, a Jesus, como vissem que já estava morto, não lhe quebraram as pernas. Mas um dos soldados lhe abriu o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água. Aquele que isto viu testificou, sendo verdadeiro o seu testemunho; e ele sabe que diz a verdade, para que também vós creiais. E isto aconteceu para se cumprir a Escritura: Nenhum dos seus ossos será quebrado”. João 19.33-36



Compensa analisar ainda duas outras profecias, que se referem aos Seus ossos, que também tiveram cumprimento exato, se bem que nesse caso ele não é mostrado tão claramente na Escritura:

“Derramei-me como água, e todos os meus ossos se desconjuntaram ...” Salmo 22.14



Não difícil entender que Jesus, tendo Suas mãos e pés pregados na cruz, teve os ossos desconjuntados, especialmente se lembrarmos que Ele foi pregado na cruz deitada no chão, que foi depois levantada.



“Posso contar todos os meus ossos...” Salmo 22.17



Ele foi dependurado nu na cruz (João 19.23), de modo que seus ossos podiam ser vistos. A distensão do Seu corpo e os suplícios terríveis da crucificação levavam os ossos a ficarem ressaltados.



22. Seu coração parou

Profecia: “Derramei-me como água, e todos os meus ossos se desconjuntaram; meu coração fez-se como cera, derreteu-se dentro de mim”. Salmo 22.14

Cumprimento: “Mas um dos soldados lhe abriu o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água”. João 19.34



23. Seu lado foi traspassado

Profecia: “E sobre a casa de Davi e sobre os habitantes de Jerusalém derramarei o espírito da graça e de súplicas; olharão para aquele a quem traspassaram; pranteá-lo-ão como quem pranteia por um unigênito e chorarão por ele como se chora amargamente pelo primogênito”. Zacarias 12.10

Cumprimento: “Contudo, um dos soldados lhe furou o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água”. João 19.34 (Edição Revista e Corrigida)



24. Trevas sobre a Terra

Profecia: “Sucederá que, naquele dia, diz o SENHOR Deus, farei que o sol se ponha ao meio-dia e entenebrecerei a terra em dia claro”. Amós 8.9

Cumprimento: “Desde a hora sexta até à hora nona, houve trevas sobre toda a terra”. Mateus 27.45



25. Sepultado no túmulo de um rico

Profecia: “Designaram-lhe a sepultura com os perversos, mas com o rico esteve na sua morte, posto que nunca fez injustiça, nem dolo algum se achou em sua boca”. Isaías 53.9

Cumprimento: “Caindo a tarde, veio um homem rico de Arimatéia, chamado José, que era também discípulo de Jesus. Este foi ter com Pilatos e lhe pediu o corpo de Jesus. Então, Pilatos mandou que lho fosse entregue. E José, tomando o corpo, envolveu-o num pano limpo de linho e o depositou no seu túmulo novo, que fizera abrir na rocha; e, rolando uma grande pedra para a entrada do sepulcro, se retirou”. Mateus 27. 57-60





Qualquer dúvida, mande uma mensagen, clique aqui.

Provas extra-bíblicas para passagens bíblicas?

Pedra Hitita - 800 A.C
Crédito Imagem: C.L. Woolley, Carchemish III (London, Trustees of the British Museum)

 Registros de outros povos são indispensáveis para dar credibilidade à Bíblia?

A Resposta é NÃO. Vejamos o porquê:

A grande maioria dos documentos históricos ou artefatos arqueológicos foram destruídos ou dificilmente serão encontrados, mas isso não significa que não existiram, a arqueologia não é adivinha nem mágica, ela lança para o estudo histórico o que foi possível encontrar (lembre-se também que os próprios manuscritos são artefatos arqueológicos).

Os documentos antigos judaicos são os mais bem preservados do mundo,isso pode ser atestado por qualquer um, a própria Bíblia que quase todo mundo tem em casa, são cópias de uma reunião incrível de documentos antigos de várias épocas, tendo como fontes grandes quantidades de pergaminhos, códices e fragmentos, atualmente espalhados em diversos museus e universidades do mundo . É uma riqueza histórica sem igual.

Os judeus tinham um cuidado na preservação de sua história como nenhuma outra Nação, esse cuidado todo certamente está ligado a algo muito forte e é justamente isso que seus documentos históricos registram: mostram em seu conteúdo uma relação direta de Deus e Israel. 

Um bom exemplo da eficácia que os judeus tem com a preservação histórica é que mesmo dispersados pelo mundo há quase 2 mil anos e tendo tudo para serem diluídos em novas nações, conseguiram preservar sua história e hoje, incrivelmente, voltaram a ser uma Nação,inclusive popularizando o hebraico em um breve espaço de tempo, uma língua que era considerada já "morta" pelos especialistas.

A dificuldade de documentação histórica de outros povos.


Para se ter uma ideia da diferença dos registros históricos entre o judeus e outros povos, em 1922, alguns arqueólogos procuravam túmulos egípcios, e ao encontrarem um deles, surgiu o nome Tuntacâmon, mas até então, não havia praticamente nada em torno desse nome, seu nome surgiu por acaso,  por causa de seu túmulo e objetos encontrados dentro dele. Hoje, o nome desse faraó antes desconhecido, tornou-se o mais famoso do mundo. Os cientistas agora tentam na "raça" desvendar os motivos de sua morte. 

Não há quase documentação com detalhes dos ícones egípcios e suas dinastias, o autor Maneton dos fragmentos de Aegyptiaca (escrito somente em grego), principal fonte no estudo do Egito antigo, viveu no mínimo mil anos depois dos relatos que narrou, porém os mesmos historiadores que dão crédito a esses relatos, não creem nos relatos de Cristo, mesmos estes últimos tendo farta documentação, interligando-se em textos que se comunicam entre si (aumentando a sua credibilidade) e sendo produzidos em época contemporânea das testemunhas oculares.

Também são escassos os documentos romanos, por exemplo, os maiores detalhes da crucificação romana, e da crucificação em geral, provêm dos livros judaicos do Novo Testamento. 

A história de Alexandre, o Grande, é baseada numa biografia de um autor que viveu mais de 600 anos depois de Alexandre, no entanto, ninguém dúvida de sua existência,mas o preconceito contra os documentos judaicos é gigante, os céticos utilizam a pressuposição da inexistência de Deus, para rejeitar os eventos sobrenaturais informados, apesar desses documentos respeitarem o mecanismo pelo qual se dá o conhecimento humano.

Ou seja, o fato estando relatado nos documentos do Antigo ou Novo Testamento, e o fenômeno passando pelo crivo dos contemporâneos da época, é o que basta para atestar a veracidade dos relatos bíblicos. 

Vejamos, por exemplo, o "eclipse" sobrenatural, narrado no Novo Testamento: A produção das Escrituras é contemporânea aos povos da época dos acontecimentos, se o "eclipse" (escuridão de 3 horas) não tivesse ocorrido, a história de Jesus seria automaticamente destruída por ser algo relatado como um fato, mas sem nenhuma comprovação das pessoas vivas da época, a arqueologia já provou a existência dos primeiros cristãos no século I, e as pessoas não pregariam Jesus com tanta ousadia e dispostas a morrerem, se fatos narrados relacionados a Jesus, como o"eclipse", jamais tivessem ocorrido.

Conforme já comentado em outro texto, veja a história do Inri Cristo brasileiro, ele não é tão louco a ponto de associar a sua suposta divindade a fatos reais, se ele fizesse isso não teria um seguidor sequer, o mesmo com Maomé, e as diversas fraudes existentes, esses indíviduos instigam as pessoas a terem uma fé cega neles, sem se comprometerem com provas!


Narrativa Bíblica


Quem criou Deus? Deus foi desnecessário para criação do Universo?

Crédito imagem:  Waruiko


No livro "Deus é um Delírio", o autor Richard Dawkins diz que não se pode inferir a existência de um Criador do Universo baseado na complexidade do Universo, porque isso levanta uma segunda pergunta:

Quem criou o Criador?


Apesar de não concordar em com muita coisa do apologeta, teólogo e filósofo Wiliian Lane Graig, ele deu uma resposta interessante: 


Esse argumento de Dawkins é bastante inepto, uma vez que os filósofos da ciência admitem que para reconhecermos que  uma dada explicação é a melhor, não precisamos ter uma explicação para a explicação.

Ilustração da ideia:

Digamos  que um arqueólogo encontrasse artefatos numa escavação semelhantes a pontas de flechas, cacos de cerâmica e machadinhas, seria perfeitamente justo inferir que esses artefatos foram feitos por alguma tribo perdida, mesmo que o arqueólogo ignorasse a identidade desse povo ou como ele veio parar nessa localidade.

Se pretendermos dizer que uma dada explicação é a melhor apenas se tivermos a explicação da explicação,isso conduziria imediatamente a uma regressão infinita:

Seria necessário uma explicação para a explicação da explicação, e assim por diante, infinitamente, nunca conseguiríamos explicar nada!

Seria a destruição da própria ciência!


Sobre a tentativa de Dawkins de querer comparar complexidades (complexidade de Deus x complexidade do mundo natural) basta dizer que Deus está além do Natural, não é feito de partes como na natureza que conhecemos, por isso a comparação é descabida. 

Só podemos observar o Natural (ambiente em que vivemos), não se pode discutir a natureza de Deus.

O que diz a Bíblia sobre Deus?


Os escritos que fazem parte da Bíblia é a revelação que Deus fez aos humanos, foi-nos revelado que Deus é eterno, ou seja, não teve inicio, sempre existiu! Isso entra em consonância com a necessidade de causa incausada, veja algumas passagens:

Porque assim diz o Alto e o Sublime, que habita na eternidade, e cujo nome é Santo: Num alto e santo lugar habito; como também com o contrito e abatido de espírito, para vivificar o espírito dos abatidos, e para vivificar o coração dos contritos. Isaías 57:15


[Oração de Moisés, homem de Deus] SENHOR, tu tens sido o nosso refúgio, de geração em geração.

Antes que os montes nascessem, ou que tu formasses a terra e o mundo, mesmo de eternidade a eternidade, tu és Deus. Salmos 90:1-2


O Universo surgiu sozinho? Deus foi desnecessário?


Alguns cientistas propagandistas do ateísmo pregam que Deus foi desnecessário porque o universo surgiu do "nada", argumentam dizendo que partículas "parecem" surgir do nada e que a energia do universo sendo igual a zero evidencia a não criação externa dele, de forma mais ou menos sútil dizem simplesmente que Deus não existe. 

O objetivo dessa colocação ateísta é decretar que Deus não existe, já que, sendo o Criador chamado de Deus, se o universo não foi criado, logo esse Criador (ou seja Deus) inexiste, entretanto ele não pode dizer que o que observamos não foi programado pelo próprio Deus, ele não tem suporte para afirmar a inexistência de Deus, pois o alcance do método cientifico é limitado.

O certo é que a causa necessita ser incausada (para não cair na regressão infinita que comentamos acima), o que nos remete obrigatoriamente à Deus, que como já vimos acima é a única referência de Eternidade que temos, perceba que crer em Deus é totalmente racional e lógico.

IMPRIMIR ARTIGO

Print Friendly and PDF