Fóssil de animal de "500 milhões" de anos encontrado.

Crédito imagem: Reuters/Xiaoya Ma


"Nesta segunda-feira (7), cientistas disseram ter encontrado o fóssil de uma criatura semelhante a um camarão que viveu 520 milhões de anos atrás com um coração e artérias exemplarmente conservados que representam o sistema cardiovascular mais antigo já visto" 

 Mais uma vez temos um grande exemplo que fósseis mostram apenas diversidade( que não é sinônimo de evolução). Como se vê, a criatura de supostos 500 milhões de anos, não difere muito de algumas que vivem hoje nos mares, e suas partes moles preservadas jogam contra os supostos milhões de anos. A Teoria da Evolução é desmentida a todo momento(lembre-se também dos chamados fósseis vivos ).


Datação feita através do decaimento de um elemento químico é precisa?

As datações são baseadas em suposições à respeito de eventos que ocorreram no passado. Os resultados podem ser tendenciosos em direção a idade desejada.

Algumas suposições criticas podem afetar os resultados dessas datações:

- As condições inciais de amostra de rocha  são conhecidas com exatidão.

- A quantidade  de elementos  pai e filho de uma amostra não foi alterada por outros processos que não o decaimento radioativo.

- A taxa de decaimento(ou meia vida) do isótopo pai permaneceu constante desde que a rocha foi formada.


No passado só existiam criaturas simples?

 Não, o que ocorre é que a pressuposição corre solta, por exemplo, se  um paleontólogo encontra um fóssil de mamute, ele não vai usar o mesmo modelo de datação que usaria para um dinossauro ou para outra criatura que  suponha ser MUITO antiga, pois  a suposição convencionada é de que os mamutes são mais recentes. Esse é o dogma da filosofia evolucionista, que nesse mundo continuará intocável, pois já foi longe demais. Imagine os bilhões de dólares em prejuízo, o que seria de museus, literaturas, e da própria credibilidade da pseudociência adivinhatória (produtoras de teorias para o passado), se a Teoria da Evolução fosse tirada de seu pedestal?



IMPRIMIR ARTIGO

Print Friendly and PDF