Jesus levou todas as nossas enfermidades na cruz? (A distorção sobre a Cura)

Crédito Imagem: Farah Rose


Certamente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus e oprimido” (Isaías 53.4).

Infelizmente, esse é um tema muito distorcido em algumas igrejas, onde é pregado a cura de enfermidades se você tiver fé, mas Se Jesus tivesse carregado nossas enfermidades na cruz, os resultados deveriam ser obrigatoriamente os mesmos da salvação. Mas não é o que acontece. Quando alguém se converte a Jesus, a conseqüência direta é o perdão pleno de todos os seus pecados, recebendo imediatamente o Espírito Santo e nascendo de novo – sua alma e seu espírito ficam curados. Mas seu corpo também é curado imediatamente? E é sempre curado? Não! Exceções confirmam a regra, mas Deus é soberano, e graças a Ele por isso – mas por que uma pessoa não fica curada sempre, mesmo tendo sido salva? Porque a carne não pode ser salva e por continuarmos vivendo em um corpo pecaminoso, suscetível a todo tipo de doença.

Curas e o cumprimento das Escrituras


Mateus 8 descreve o Senhor curando um leproso. Depois Ele cura o servo de um centurião romano de Cafarnaum. Aí vem a cura da sogra de Pedro. E nesse contexto está escrito: “Chegada a tarde, trouxeram-lhe muitos endemoninhados; e ele meramente com a palavra expeliu os demônios e curou todos os que estavam doentes; para que se cumprisse o que fora dito por intermédio do profeta Isaías: Ele tomou as nossas enfermidades e carregou com as nossas doenças” (Mt 8.16-17). Assim, Jesus cumpriu a profecia de Isaías 53 ainda antes de Sua crucificação, durante Sua vida e Seu ministério terrenos, quando curou muitos dos Seus compatriotas judeus, compadeceu-se deles, tomou sobre Si as suas dores e sarou-os. Ele sofreu com seus sofrimentos, teve compaixão deles e carregou suas fraquezas e doenças. Essa profecia foi cumprida, primordialmente, em Israel e com relação a Israel, e foi uma prévia do futuro reino messiânico.

O que Jesus carregou na cruz


Quando a Bíblia fala da cruz ela nunca diz que Jesus carregou nossas enfermidades, mas o pecado, que Ele tomou sobre Si – que é a causa da enfermidade e da morte. Só em Isaías 53.5, e não no versículo 4, a profecia fala da cruz e do que Jesus carregou na cruz: “Mas ele foi traspassado (na cruz) pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados (das nossas transgressões). Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas, cada um se desviava pelo caminho, mas o Senhor fez cair sobre ele a iniqüidade de nós todos” (Is 53.5-6). “Aquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós; para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus” (2 Co 5.21).

Nós, seres humanos, somos enganados e marcados por uma postura interior equivocada. Pensamos, agimos e fazemos de conta que a doença é pior do que o pecado. Em geral, a enfermidade é considerada o que existe de pior. É por isso que desejamos “saúde!” uns aos outros ou dizemos que “o mais importante é a saúde”. Mas existe algo que é muito pior do que toda e qualquer doença: o pecado. É o pecado que nos mata, não a doença. O pecado é a causa de todas as doenças, a raiz de todo sofrimento e da morte. É terrível sofrer e morrer de alguma doença, mas imensuravelmente pior é morrer em pecado.


Jesus dá o exemplo


Momentos antes de sua morte, a oração:

"E, indo um pouco mais para diante, prostrou-se sobre o seu rosto, orando e dizendo: Meu Pai, se é possível, passe de mim este cálice; todavia, não seja como eu quero, mas como tu queres."
Mateus 26:39

Repare nos grifos, Jesus pede um livramento, mas respeitando a Soberania e a Onisciência do Pai! Ou seja, não foi uma determinação como alguns pastores modernos ensinam em relação à cura, lembrando que o apóstolo Paulo orou à Deus pedindo ajuda para um problema que ocorria com ele, mas 
Deus, em sua infinita sabedoria, decidiu que naquele caso especifico era melhor não conceder o pedido.

Obviamente que podemos pedir uma cura a Deus, mas sempre lembrando que a vontade do Criador está em primeiro lugar, e não a nossa!

Se nosso pedido estiver em sintonia com a vontade de Deus (é importante estudarmos continuamente a bíblia para conhecermos cada vez mais os ensinamentos de Deus, inclusive para evitar agir por ignorância, rejeitando remédios ou tratamentos médicos), seremos atendidos, em caso contrário não, e isso pode ocorrer com cristãos fiéis, como foi o caso de Paulo acima, não devemos ficar questionando o porquê disso, temos que ter em mente que Deus sabe os motivos, Ele sabe de todas as coisas, o importante é a vida eterna com o Senhor Jesus.



CONCLUSÃO:


A melhor coisa a se fazer é estar preparado, buscar comunhão diária com Deus, e consequentemente um espírito forte e preparado para os momentos de aflição nesse mundo, momentos que nem sempre mandam avisos.

Ao contrário do que pregam as igrejas neo pentecostais de hoje, que trazem o foco totalmente para a cura física, devemos orar sobretudo com foco no espiritual, ou seja, mesmo em caso de doenças, não excluir o verdadeiro objetivo do Evangelho, que é o crescimento espiritual e a Salvação.


(Editado a partir de texto de Norbert Lieth)



IMPRIMIR ARTIGO

Print Friendly and PDF