A disputa nas Igrejas: Quem está certo?

Crédito imagem: zert.sonstige_2008


"Se as Escrituras são a palava de Deus, e Deus inspirou os homens a escreve-las para que fosse uma referencia imutável, por que então temos várias ramificações, e disputas entre elas?"

A culpa não é das Escrituras, e sim dos humanos. Claro que o ideal seria que todas as igrejas concordassem entre elas e trouxessem a mesma mensagem bíblica,e essa é a vontade de Deus,  por isso seus mensageiros a documentaram , mas infelizmente as pessoas discordam até mesmo com coisas óbvias, isso faz parte do livre arbítrio, por isso as divisões, mas a Igreja Espiritual (noiva de Cristo), no básico e no fundamental certamente não tem essas diferenças. 

Deus não criou denominações e nem placas de igrejas, mas todas elas existem hoje porque os Apóstolos lá no inicio do cristianismo pregaram o Evangelho (não esquecendo que  Jesus disse: "Fazei discípulos"). Por isso algumas reivindicações de detentora de autoridade "por DNA", como fazem a Igreja Católica ou Ortodoxa, de nada valem, pois todas tem uma origem comum. O importante é se estão transmitindo o verdadeiro Evangelho, que pode ser conferido por qualquer um nas Escrituras.

"E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo". 1 Coríntios 12

Denominações surgiram, surgem ou surgirão, é lícito ocorrer quando alguém sente que tem esse dom de pregar a palavra, e que não tem igrejas por perto féis às Escrituras, esta pessoa se organiza com outras pessoas, consegue um local, e pronto, surgiu uma denominação, desde que essa nova denominação siga realmente a Bíblia não teria nada de errado nisso, pelo contrário, se não tem uma igreja por perto que ensina a santa doutrina, o certo é criar mesmo pontos de pregação, pois está seguindo o que Jesus pediu, mas infelizmente não é o que ocorre em boa parte dos casos. 

Muitas vezes, a criação de uma nova denominação pode estar relacionada à vaidade, interesses financeiros etc. Porém, tem como nos protegermos do falso evangelho: Examinando a nossa regra de fé, que é a Bíblia, e comparando com o que é dito pelos pregadores e líderes.

Os falsos pastores

Essa diversidade não significa que Deus aprova a distorção da sua palavra e nem a utilização dela por mercenários, Ele deixou várias mensagens para líderes pregadores mercenários e falsos pastores:

Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas?

E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade. 
Mateus 7:22-23

Portanto esse grupo sofrerá as consequências do julgamento de Deus.

Que igreja frequentar?

As Escrituras recomendam conviver com outros cristãos numa igreja, mais abaixo falarei sobre o assunto. Mas para você que sabe ler, eu recomendaria primeiro ler toda a Bíblia, e como apoio à leitura e estudo, ir acessando material cristão na internet, para não correr o risco de se decepcionar numa Igreja, podendo até abandonar a busca pela fé, que é uma convicção construída através do entendimento da Revelação de Deus. Ou seja, procurar uma quando já tiver um bom conhecimento.

 Você pode ler a Bíblia em menos de 1 ano, lendo tranquilamente uns 5 ou 7 capítulos por aproximadamente uns 20 a 30 minutos por dia, ou 1 livro por fim de semana.  

A leitura cronológica dos textos é o mais indicado, por exemplo, iniciando em Gênesis. 

E não basta ler apenas uma vez, é leitura para toda a vida, pois sempre tem algo que passou despercebido na leitura anterior que vem à tona na leitura atual, depois de ler o Evangelho e ler novamente o Antigo Testamento você ficará maravilhado de ver como os documentos se interligam, muita coisa fará sentido, que os seguidores do judaísmo,por exemplo, por terem ignorado o Messias, desconhecem.

Durante a progressão da leitura pode-se atentar para alguns pontos, alguns exemplos:

- Referencias ao Messias e ao seu sacrifício, já nos primeiros livros.
- Como Deus opera na racionalidade humana, convencendo homens através do sobrenatural (documentado para a posteridade)
- A importância das testemunhas e da interação humana na construção do conhecimento.
- O cuidado de Deus em gravar os grandes acontecimentos do Êxodos na memória dos hebreus.
- O livre arbítrio dado por Deus
- A busca pela santificação que deve ter o povo de Deus.
- A Soberania e a misericórdia de Deus

Igreja X Templo

"E os ensinava, dizendo: Não está escrito: A minha casa será chamada, por todas as nações, casa de oração? Mas vós a tendes feito covil de ladrões."Marcos 11:17

A ideia de igreja ensinada atualmente em muitos lugares, infelizmente, é uma distorção do que é visto no Novo Testamento. 

Algumas denominações até "idolatram" o edifício que abriga a congregação, chamando-os de "casa de Deus", "casa de oração", "templo de Deus" etc. Outras até gastam fortunas para construir templo como o de Salomão. Porém, esses nomes mencionados na Bíblia se referem todos ao templo do Antigo Testamento, do qual Jesus fala acima, e do qual Ele também profetizou a destruição, essa destruição, inclusive, já apontava para uma nova era que viria,onde os crentes adorariam a Deus em espírito e em verdade, e não mais como no judaísmo. 

Um novo templo judeu será construído novamente, conforme mencionado no Apocalipse e em Daniel, mas esse templo é uma inciativa puramente humana, o templo de Deus para o cristão, é o próprio corpo.

Entenda que o templo de Espírito Santo é o próprio corpo do cristão, a adoração passou a  ser em Espirito e em Verdade, não há um lugar especifico para adorar, a adoração é o tempo todo sendo transparecida pelos frutos do Espírito. Se essa fosse a palavra pregada na maioria das igrejas, o cristão teria maior consciência da importância da santificação e da comunhão com Deus.

Se a igreja não é templo de Deus então para que frequenta-las?

As Escrituras recomendam a convivência com outros cristãos, e o melhor lugar para isso é obviamente um local apropriado para a reunião, o significado original de igreja não é o edifício, mas simplesmente uma reunião de pessoas, muita gente confunde isso.

Paulo fala muito nas Epístolas sobre O culto racional, isso significa que tudo deve ser feito visando a edificação da Congregação (Igreja) baseada na Revelação de Deus, estudando a Palavra, lembrando dos acontecimentos, inclusive ceando com os irmãos, e exortando sobre as Promessas, essa é a forma de adoração a Deus ensinada. 

O templo do Antigo Testamento era um lugar para sacrifícios físicos, sacrifícios que foram finalizados com o Sacrifício de Jesus e o foco no Espiritual a partir desse evento, por isso, querer dar ao edifício que abriga a igreja a mesma importância do antigo templo judeu nomeando inclusive com os mesmos nomes, é algo descabido.

Não devemos ser contra as denominações genuinamente cristãs, mas sim filtra-las através da Palavra.

Quando escreveu aos Felipenses (1:18), quando esteve preso,  Paulo afirma que existia irmãos nas igrejas que pregavam Cristo por inveja e porfia, havendo quem o fizesse com desejo de prejudicar o seu ministério. Ele diz: "Mas, que importa? Contanto que Cristo seja anunciado de toda a maneira, ou com fingimento ou em verdade, nisto me regozijo, e me regozijarei ainda". 

O Apóstolo parece profetizar também para as igrejas do nosso tempo, com competição acirrada, onde Jesus também é pregado de todas as maneiras, com mentes muitas vezes longe do espiritual, com vaidades, puxando o ministério de outros, querendo se destacar mais que outros, agradando homens, etc.

Mas, por qual motivo, Paulo parece não se importar ao dizer que mesmo com fingimento, o que importava era que Cristo fosse anunciado? A razão é simples: a fé daquele que crê, faz com que ele entre em comunhão com Deus, sem depender de quem anuncia.



As pessoas devem examinar as Escrituras para que não caiam em falsos ensinamentos:

Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam; João 5:39

Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça; 2 Timóteo 3:1

E também houve entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá também falsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição, e negarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição. 2 Pedro 2:1


Conclusão: 

A convivência com outros cristãos é benéfica e recomendada nas Escrituras, com o objetivo de edificação mútua e fortalecimento da fé, essa deve ser a função da Igreja enquanto organização humana, ela não tem a função de ser substituta do tabernáculo da época de Moisés ou do templo construído por Salomão, ela não é o lugar exclusivo para adoração, pois na nova aliança, adoração não tem lugar! 

Não é um lugar em que se deve ficar apenas se esgoelando de gritar palavras repetitivas, tudo deve ser feito visando a edificação dos membros, a adoração em espírito em verdade é evidenciada através dos frutos do espírito e não por berros.

Eu não preciso ficar berrando (muita gente engloba dentro do Novo Testamento comportamentos vistos no Antigo, mas hoje é Nova Aliança! Tem que se tomar cuidado) para mostrar que estou adorando à Deus. 

Portanto, como Paulo ensina nas epístolas, é um lugar para edificação. 

A igreja, noiva de Cristo, é a reunião de cristãos fiéis pelo conhecimento do Deus Onisciente, ou seja, nem todos que estão numa igreja qualquer, tomando ceia ou não, fazem parte do corpo de Cristo, novamente, não estou dizendo com isso que os cristãos não devam congregar, pelo contrário, apenas abordando a verdadeiro objetivo da Igreja, que anda muito distorcido hoje em dia.


IMPRIMIR ARTIGO

Print Friendly and PDF