Passagem da adúltera é acréscimo?

Crédito imagem:  Cyrus Nowrasteh


Perícopa da Adúltera
Texto de João:

"E cada um foi para sua casa Jesus, porém, foi para o Monte das Oliveiras. 

E pela manhã cedo tornou para o templo, e todo o povo vinha ter com ele, e, assentando-se, os ensinava. 

E os escribas e fariseus trouxeram-lhe uma mulher apanhada em adultério; E, pondo-a no meio, disseram-lhe: Mestre, esta mulher foi apanhada, no próprio ato, adulterando.


E na lei nos mandou Moisés que as tais sejam apedrejadas. Tu, pois, que dizes? Isto diziam eles, tentando-o, para que tivessem de que o acusar. 

Mas Jesus, inclinando-se, escrevia com o dedo na terra. E, como insistissem, perguntando-lhe, endireitou-se, e disse-lhes: Aquele que de entre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra contra ela.

 E, tornando a inclinar-se, escrevia na terra. Quando ouviram isto, redargüidos da consciência, saíram um a um, a começar pelos mais velhos até aos últimos; ficou só Jesus e a mulher que estava no meio. 

E, endireitando-se Jesus, e não vendo ninguém mais do que a mulher, disse-lhe: Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou? E ela disse: Ninguém, Senhor. E disse-lhe Jesus: 

Nem eu também te condeno; vai-te, e não peques mais."

 João 7:53. 8:1-11


 Grande parte dos acadêmicos céticos, e até alguns cristãos, afirmam que a passagem não faz parte do documento original, e foi incluída posteriormente, ato conhecido por interpolação, o motivo principal é que esse trecho não aparece nos códices mais antigos, mas isso é suficiente para decretar adulteração?

Resposta:

Os códices tinham fontes diferentes, portanto os copistas que escreveram códices com essa passagem, provavelmente tinham o trecho nas fontes utilizadas!


A falta da passagem implica em alguma coisa?


Não, pois ela é mais uma que fala da condição humana e a Graça de Deus. Se não há motivo para o acréscimo, a idéia de uma adulteração se torna mais fraca.


Paulo corrobora a passagem:

Na passagem da adúltera, Jesus em plena autoridade, e sendo Ele mesmo cumprimento do Antigo Testamento, implanta o ministério da reconciliação em detrimento das ordenanças judaicas, de uma maneira maravilhosa, provocando uma introspecção naqueles judeus, e mostrando que nenhum ali merecia viver.


Porque o fim da lei é Cristo para justiça de todo aquele que crê. Romanos 10:4

Na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos, que consistia em ordenanças, para criar em si mesmo dos dois um novo homem, fazendo a paz.
Efésios 2:15


E tudo isto provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação;

Isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados; e pôs em nós a palavra da reconciliação. 

2 Coríntios 5:18-19


Moisés, o Ministério da Morte, Jesus, o Ministério da Reconciliação:


Gálatas 3:23-25 “Mas, antes que a fé viesse, estávamos guardados debaixo da lei, e encerrados para aquela fé que se havia de manifestar. De maneira que a lei nos serviu de aio, para nos conduzir a Cristo, para que pela fé fôssemos justificados. Mas, depois que veio a fé, já não estamos debaixo de aio.”


Livro de Hebreus também corrobora a passagem da adúltera:


Porque, mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também mudança da lei. 
Hebreus 7:12

“Portanto, por um lado, se revoga a anterior ordenança, por causa de sua fraqueza e inutilidade (pois a lei nunca aperfeiçoou coisa alguma), e, por outro lado, se introduz esperança superior, pela qual nos chegamos a Deus” (Hebreus 7:18-19). 





Conclusão: Não há base para decretar tal especulação de interpolação como verdade, pelo contrário, várias passagens fortalecem o episódio como fato.

IMPRIMIR ARTIGO

Print Friendly and PDF