Datação das Geleiras

Crédito imagem: Wikimedia Commons

De acordo com cientistas uniformitaristas, a glaciação começou  há 2 ou 3 milhões de anos. O uniformitarismo defende que os processos que hoje operam, sempre operaram de igual modo no passado à mesma taxa, frequência, cadência e velocidade.

Os cientistas uniformitaristas afirmam poder contar as camadas anuais da capota de gelo da Groenlândia a fim de determinar sua idade da mesma maneira que se pode contar os anéis de uma árvore.

 Ao fazer isso, eles chegaram a 110 mil anos próximo da base da capota de gelo da Groenlândia. Foram feitas afirmações semelhantes para uma idade muito maior na capota de gelo da Antártica. Essas afirmações  são equivocadas e baseiam-se essencialmente na crença uniformitaristas de que as capotas de gelo tem milhões de anos.

 A amostragem de núcleo de gelo normalmente usa a suposição de que as bandas observadas  representam anos. Veja abaixo um exemplo conhecido, onde mostra que isso é falho:


Pelo modelo atrelado a escala de tempo evolucionista, o processo de formação de geleiras naturais é muito longo, porém os aviões militares da segunda guerra levaram  apenas 50 anos para ficar sob 263 metros de gelo, que entra em choque com o modelo evolutivo.

Conclusão: Essas datações não são confiáveis, ignoram eventos catástrofes e reações climáticas do passado, e já partem da premissa que o gelo glacial formado se encaixa nas suposições do modelo evolutivo. Portanto, todas as variáveis serão criadas objetivando enquadrar-se na ideia de terra e eventos lentos e muito antigos.

Mais:

Alley, R.B. et al., Visual-stratigraphic dating of the GISP2 ice core: Basis, reproducibility, and application. Journal of Geophysical Research 102(C12):26,367–26,381, 1997.
Dansgaard, W. et al., Evidence for general instability of past climate from a 250-kyr ice-core record. Nature 364:218–220, 1993.
De Angelis, M., Steffensen, J.P., Legrand, M., Clausen, H., and Hammer, C., Primary aerosol (sea salt and soil dust) deposited in Greenland ice during the last climatic cycle: Comparison with east Antarctic records. Journal of Geophysical Research 102(C12):26,681–26,698, 1997.
Grootes, P.M. and Stuiver, M., Oxygen 18/16 variability in Greenland snow and ice with 10-3 to 105 – year time resolution. Journal of Geophysical Research 102(C12):26,455–26,470, 1997.
Meese, D.A., Gow, A.J., Alley, R.B., Zielinski, G.A., Grootes, P.M., Ram, K., Taylor, K.C., Mayewski, P.A. and Bolzan, J.F., The Greenland Ice Sheet Project 2 depth-age scale: Methods and results. Journal of Geophysical Research 102(C12):26,411–26,423, 1997.
Oard, M.J., An Ice Age Caused by the Genesis Flood. Institute for Creation Research, El Cajon, California, 1990.
Oard, M.J., A tale of two Greenland ice cores. Creation Ex Nihilo Technical Journal 9(2):135–136, 1995.
Shuman, C.A., Alley, R.B., Anandakrishnan, S., White, J.W.C., Grootes, P.M., and Stearns, C.R., Temperature and accumulation at the Greenland summit: Comparison of high-resolution isotope profiles and satellite passive microwave brightness temperature trends. Journal of Geophysical Research 100(D5):9165–9177, 1995.
Souchez, R., The buildup of the ice sheet in central Greenland. Journal of Geophysical Research 102(C12):26,317–26,323, 1997.
Vardiman, L., Ice Cores and the Age of the Earth, Institute for Creation Research, El Cajon, California, 1993

IMPRIMIR ARTIGO

Print Friendly and PDF